1. WeatherSpark.com
  2. Estados Unidos
  3. Alasca
  4. Dillingham
  5. junho

Condições meteorológicas médias de Dillingham em junho Alasca, Estados Unidos

Em Dillingham, o mês de junho é caracterizado por temperaturas diárias máximas em ascensão, com a temperatura máxima no dia subindo 3°C ao longo do mês, de 14°C a 16°C, raramente passando de 22°C ou caindo abaixo de 9°C.

As temperaturas mínimas sobem em 3°C, de 5°C a 8°C, raramente caindo abaixo de 2°C ou ultrapassando 11°C.

Como referência, em 23 de julho, o dia mais quente do ano, em geral as temperaturas em Dillingham variam entre 10°C e 17°C. Por outro lado, em 18 de janeiro, o dia mais frio do ano, elas variam de -12°C a -5°C.

Temperaturas máximas e mínimas médias em junho

Temperatura máxima (linha vermelha) e mínima (linha azul) médias, com faixas do 25º ao 75º e do 10º ao 90º percentil. As linhas finas pontilhadas são as temperaturas médias percebidas correspondentes.

A figura abaixo mostra uma caracterização compacta das temperaturas médias horárias para o trimestre centralizado em junho. O eixo horizontal indica o dia e o eixo vertical indica a hora. A cor é a temperatura média para aquele horário naquele dia.

Temperatura média horária em junho

Temperatura média horária em junho em Dillingham1815222911223344556677889910101111121213131414151516161717181819192020212122222323242425252626272728282929303000040812162000maijulfriofrescaamena
Temperatura média horária, com faixas coloridas: congelante < -9°C < gélido < 0°C < muito frio < 7°C < frio < 13°C < fresco < 18°C < agradável < 24°C < morno < 29°C < quente < 35°C < escaldante. O crepúsculo civil e a noite são indicados pelas áreas sombreadas.

Nuvens

No mês de junho em Dillingham, a nebulosidade permanece basicamente constante. A porcentagem de tempo em que o céu fica encoberto ou quase encoberto permanece por volta de 61% ao longo do mês.

O dia menos encoberto no mês é 7 de junho, com céu sem nuvens, quase sem nuvens ou parcialmente encoberto durante 40% do tempo.

Como referência, em 7 de janeiro, o dia mais nublado do ano, a probabilidade de céu encoberto ou quase encoberto é de 65%, enquanto em 15 de outubro, o dia menos encoberto do ano, a probabilidade céu sem nuvens, quase sem nuvens ou parcialmente encoberto é de 46%.

Categorias de nebulosidade em junho

Categorias de nebulosidade em junho em Dillingham181522291122334455667788991010111112121313141415151616171718181919202021212222232324242525262627272828292930300%100%10%90%20%80%30%70%40%60%50%50%60%40%70%30%80%20%90%10%100%0%maijul1 de jun40%1 de jun40%30 de jun38%30 de jun38%11 de jun39%11 de jun39%parcialmente encobertoquase encobertoencobertosem nuvensquase sem nuvens
Porcentagem do tempo passado em cada faixa de nebulosidade, caracterizada pela porcentagem do céu encoberto por nuvens: sem nuvens < 20% < quase sem nuvens < 40% < parcialmente encoberto < 60% < quase encoberto < 80% < encoberto.

Precipitação

É considerado dia com precipitação aquele com precipitação mínima líquida ou equivalente a líquida de 1 milímetro. Em Dillingham, a probabilidade de um dia com precipitação ao longo de junho aumenta gradualmente, começando o mês com 26% e terminando com 29%.

Como referência, a maior probabilidade no ano de um dia com precipitação é de 40% em 8 de setembro e a menor probabilidade é de 20% em 22 de abril.

Probabilidade de precipitação em junho

Porcentagem de dias em que vários tipos de precipitação são observados, exceto por quantidades desprezíveis: só chuva, só neve e mista (chuva e neve no mesmo dia).

Chuva

Para demonstrar a variação dentro do mês e não apenas o total mensal, mostramos a precipitação de chuva acumulada durante um período contínuo de 31 dias ao redor de cada dia.

A média móvel de precipitação de chuva de 31 dias durante junho em Dillingham aumenta gradualmente, começando o mês com 45 milímetros, quando raramente passa de 88 milímetros ou cai abaixo de 15 milímetros, e terminando o mês com 55 milímetros, quando raramente passa de 100 milímetros ou cai abaixo de 23 milímetros.

Chuva mensal média em junho

Precipitação média (linha contínua) acumulada durante o período contínuo de 31 dias ao redor do dia em questão, com faixas do 25º ao 75º e do 10º ao 90º percentil. A linha fina pontilhada é a correspondente precipitação média de neve equivalente a líquido.

Sol

Ao longo de junho em Dillingham, a duração do dia aumenta gradualmente. Do início ao fim do mês, a duração do dia aumenta em 22 minutos, resultando em aumento diário médio de 45 segundos e aumento semanal de 5 minutos e 12 segundos.

O dia mais curto do mês é 1 de junho, com 18 horas e 2 minutos de luz solar. O dia mais longo é 20 de junho, com 18 horas e 31 minutos de luz solar.

Horas de luz solar e crepúsculo em junho

Número de horas em que o sol é visível (linha preta). De baixo (mais amarelo) para cima (mais cinza), as faixas coloridas indicam: luz solar total, crepúsculo (civil, náutico e astronômico) e noite total.

O dia do mês em que o sol nasce mais tarde em Dillingham é 1 de junho, às 05:31. O nascer do sol mais cedo ocorre 12 minutos antes, às 05:19 em 18 de junho.

O dia em que o sol se põe mais cedo é 1 de junho, às 23:33, e o poente mais tarde ocorre 18 minutos depois, às 23:51 em 22 de junho.

O horário de verão é implementado em Dillingham durante 2017, mas não começa nem termina durante junho. Portanto, o mês inteiro ocorre no horário de verão.

Como referência, em 21 de junho, o dia mais longo do ano, o sol nasce às 05:20 e se põe 18 horas e 31 minutos depois, às 23:51, enquanto em 21 de dezembro, o dia mais curto do ano, o sol nasce às 10:27 e se põe 6 horas e 10 minutos depois, às 16:37.

Nascer e pôr do sol com crepúsculo em junho

Dia solar durante junho. De baixo para cima, as linhas pretas são a meia-noite solar anterior, o nascer do sol, o meio-dia solar, o pôr do sol e a meia-noite solar seguinte. O dia, os crepúsculos (civil, náutico e astronômico) e a noite são indicados pelas faixas coloridas que vão do amarelo ao cinza.

Umidade

Baseamos o nível de conforto de umidade no ponto de orvalho, pois ele determina se a transpiração vai evaporar da pele e, consequentemente, esfriar o corpo. Pontos de orvalho mais baixos provocam uma sensação de mais secura. Pontos de orvalho mais altos provocam uma sensação de maior umidade. Diferente da temperatura, que em geral varia significativamente do dia para a noite, o ponto de orvalho tende a mudar mais lentamente. Assim, enquanto a temperatura pode cair à noite, um dia abafado normalmente é seguido por uma noite abafada.

A probabilidade de que um determinado dia seja abafado em Dillingham permanece basicamente constante durante junho, ficando em 0% ao longo do período.

Como referência, em 30 de julho, o dia mais abafado do ano, as condições são abafadas em 0% do tempo. Já em 1 de janeiro, o dia menos abafado do ano, as condições são abafadas em 0% do tempo.

Níveis de conforto em umidade em junho

Porcentagem do tempo passado nos vários níveis de conforto de umidade, caracterizados pelo ponto de orvalho: seco < 13°C < confortável < 16°C < úmido < 18°C < abafado < 21°C < opressivo < 24°C < extremamente úmido.

Ventos

Esta seção discute o vetor médio horário de vento (velocidade e direção) em área ampla a 10 metros acima do solo. A sensação de vento em um determinado local é altamente dependente da topografia local e de outros fatores. A velocidade e a direção do vento em um instante variam muito mais do que as médias horárias.

A velocidade horária média do vento em Dillingham decresce durante junho, diminuindo de 15,3 quilômetros por hora a 13,6 quilômetros por hora durante o mês.

Como referência, em 27 de janeiro, o dia de ventos mais fortes no ano, a velocidade média do vento no dia é de 23,4 quilômetros por hora, enquanto em 28 de junho, o dia de menos ventos no ano, a velocidade média do vento no dia de é 13,6 quilômetros por hora.

A mais baixa velocidade média diária do vento durante o mês de junho é de 13,6 quilômetros por hora em 30 de junho.

Velocidade média do vento em junho

Velocidade média horária do vento (linha cinza escuro), com faixas do 25º ao 75º e do 10º ao 90º percentil.
A direção do vento em Dillingham durante junho é predominantemente do leste de 1 de junho a 15 de junho e sul de 15 de junho a 30 de junho.

Direção do vento em junho

Direção do vento em junho em DillinghamLS181522291122334455667788991010111112121313141415151616171718181919202021212222232324242525262627272828292930300%100%10%90%20%80%30%70%40%60%50%50%60%40%70%30%80%20%90%10%100%0%maijuloestelestenortesul
Porcentagem de horas em que o vento tem direção média de cada uma das quatro direções cardinais de vento (norte, sul, leste e oeste), exceto nas horas em que a velocidade média do vento é inferior a 2 km/h. As áreas mais esmaecidas nas interseções indicam a porcentagem de horas passadas nas direções intermediárias implícitas (nordeste, sudeste, sudoeste e noroeste).

Temperatura da água

Dillingham fica perto de um grande corpo de água (por exemplo, oceano, mar ou grande lago). Esta seção descreve a temperatura média da superfície desse corpo de água em uma área ampla.

A temperatura média da água na superfície em Dillingham aumenta durante junho, aumentando em 3°C, de 6°C a 9°C, ao longo do mês.

Temperatura média da água em junho

Temperatura média diária da água (linha roxa), com faixas do 25º ao 75º e do 10º ao 90º percentil.

Energia solar

Esta seção discute o total diário incidente de energia solar de ondas curtas que chega à superfície do solo ao longo de uma área ampla, levando em conta as variações sazonais na duração do dia, na elevação do sol acima do horizonte e na absorção por nuvens e outros elementos atmosféricos. A radiação de ondas curtas inclui a luz visível e a radiação ultravioleta.

A energia solar de ondas curtas incidente média diária em Dillingham permanece basicamente constante durante junho, permanecendo entre mais e menos 0,1 kWh de 5,4 kWh ao longo do período.

A energia solar de ondas curtas incidente média diária mais alta durante junho é de 5,5 kWh em 8 de junho.

Média diária de energia solar de ondas curtas incidente em junho

Energia solar de ondas curtas incidente média diária em junho em Dillingham181522291122334455667788991010111112121313141415151616171718181919202021212222232324242525262627272828292930300 kWh1 kWh2 kWh3 kWh4 kWh5 kWh6 kWh7 kWh8 kWhmaijul8 de jun5,5 kWh8 de jun5,5 kWh30 de jun5,3 kWh30 de jun5,3 kWh
Energia solar de ondas curtas média que chega ao solo (linha laranja), por metro quadrado, com faixas do 25º ao 75º e do 10º ao 90º percentil.

Topografia

Para fins deste relatório, as coordenadas geográficas de Dillingham são: latitude 59,040°, longitude -158,458° e 4 m de altitude.

A topografia dentro do perímetro de 3 quilômetros de Dillingham contém apenas variações pequenas de altitude, com mudança máxima de 40 metros e altitude média acima do nível do mar igual a 6 metros. Dentro do perímetro de 16 quilômetros, também há apenas variações pequenas de altitude (91 metros). Dentro do perímetro de 80 quilômetros, há apenas variações pequenas de altitude (1.083 metros).

A área dentro do perímetro de 3 quilômetros de Dillingham é coberta por água (68%), vegetação herbácea (16%) e arbustos (13%); dentro do perímetro de 16 quilômetros, por arbustos (45%) e vegetação herbácea (28%). Finalmente, dentro do perímetro de 80 quilômetros, por arbustos (51%) e água (27%).

Fontes dos dados

Este relatório mostra as condições meteorológicas características de Dillingham durante o ano inteiro, com base em uma análise estatística de relatórios horários históricos e reconstruções de modelo de 1 de janeiro de 1980 a 31 de dezembro de 2016.

Temperatura e ponto de orvalho

Há 4 estações meteorológicas suficientemente próximas para contribuir para a nossa estimativa de temperatura e ponto de orvalho em Dillingham.

Para cada estação, os registros são corrigidos de acordo com a diferença de altitude entre a estação e Dillingham de acordo com o modelo Atmosfera Padrão Internacional e com a mudança relativa presente na análise retrospectiva da era por satélite MERRA-2 entre os dois locais.

O valor estimado em Dillingham é calculado como a média ponderada das contribuições individuais de cada estação, com pesos inversamente proporcionais à distância entre Dillingham e cada estação específica.

As estações que contribuem para esta reconstrução são: Dillingham Airport (97%, 3,6 quilômetros, oeste); New Stuyahok Airport (1,2%, 79 quilômetros, nordeste); King Salmon Airport (0,7%, 111 quilômetros, leste) e Egegik Airport (0,7%, 114 quilômetros, sudeste).

Outros dados

Todos os dados relativos à posição do sol (p. ex., nascente e poente) são calculados usando fórmulas astronômicas publicadas no livro Astronomical Tables of the Sun, Moon and Planets , de Jean Meeus.

Todos os outros dados meteorológicos, inclusive nebulosidade, precipitação, velocidade e direção dos ventos e fluxo solar, são oriundos da Análise Retrospectiva da Era Moderna (MERRA-2, na sigla em inglês) da NASA. Esta análise retrospectiva combina várias medições de área ampla em um modelo meteorológico global de última geração para reconstruir um histórico horário das condições meteorológicas no mundo todo, em uma grade de 50 quilômetros.

Os dados de uso do solo provêm do banco de dados global de cobertura do solo SHARE , publicado pela Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação.

Os dados de altitude são provenientes da Missão Topográfica do Radar da Shuttle (SRTM, na sigla em inglês) , publicados pelo Laboratório de Propulsão a Jato da NASA.

O nome, a localização e o fuso horário das localidades e de alguns aeroportos são provenientes do banco de dados geográfico Geonames.

Os fusos horários de aeroportos e estações meteorológicas são fornecidos por AskGeo.com .

Os mapas são © Esri, com dados fornecidos por National Geographic, Esri, DeLorme, NAVTEQ, UNEP-WCMC, USGS, NASA, ESA, METI, NRCAN, GEBCO, NOAA e iPC.

Disclaimer

The information on this site is provided as is, without any assurances as to its accuracy or suitability for any purpose. Weather data is prone to errors, outages, and other defects. We assume no responsibility for any decisions made on the basis of the content presented on this site.

We draw particular cautious attention to our reliance on the MERRA-2 model-based reconstructions for a number of important data series. While having the tremendous advantages of temporal and spatial completeness, these reconstructions: (1) are based on computer models that may have model-based errors, (2) are coarsely sampled on a 50 km grid and are therefore unable to reconstruct the local variations of many microclimates, and (3) have particular difficulty with the weather in some coastal areas, especially small islands.